Modulação Hormonal

O assunto não é dos mais simples. Sempre se ouviu dizer que, na menopausa, a mulher precisa de estrogênio, quando, na verdade, o hormônio que mais se reduz nessa fase é a progesterona. Até bem pouco tempo também se pensou que o tipo de hormônio disponível no mercado para modulação hormonal fosse igual aos hormônios endógenos (produzidos pelo organismo humano), mas já se sabe que eles são, apenas, parecidos.

Antes de mais nada, vamos entender que a produção de hormônios pelo organismo humano começa a decrescer após determinada idade e que isso, nas mulheres, além de determinar o fim dos ciclos reprodutivos, também produz uma série de sintomas desagradáveis. Estou falando do climatério, período que antecede a menopausa, e da menopausa, propriamente dita.
Se o organismo funcionava às mil maravilhas até os níveis de hormônios começarem a cair, parece natural que se possa ajudá-lo a continuar mantendo a sua vitalidade, sem sintomas desagradáveis, mediante um suprimento extra de hormônios. Isso é modulação hormonal!
Agora, porque tanta polêmica se, em tese, modulação hormonal é o melhor que se pode fazer para a manutenção da qualidade de vida da mulher? A polêmica é porque, em vez de os laboratórios produzirem hormônios iguais aos produzidos pelo organismo humano, fizeram um produto “parecido”. E “parecido” não é igual. Experimente abrir a porta da sua casa com uma chave muito parecida com a verdadeira: você pode até conseguir, mas vai acabar estragando tanto a chave quanto a fechadura, e, o que é pior, depois você não vai mais conseguir abrir a porta nem com a chave certa.
É esse o problema. O hormônio “parecido” ocupa o lugar do endógeno, prejudica o organismo e acaba, até mesmo, impedindo que o próprio hormônio endógeno desempenhe suas funções. Depois que esses hormônios “parecidos” começaram a ser usados, as mulheres começaram a infartar mais e a ter mais câncer de mama.
Coincidência? Não!
Grandes e sérios estudos têm sido realizados sistematicamente para verificar os riscos oferecidos pela modulação hormonal, feita com esses hormônios “parecidos”, comprovando que ela tem aumentado os riscos de câncer de mama e de doenças cardiovasculares, entre outras.
Mas esse problema está em vias de ser solucionado, porque, paralelamente ao pânico instalado com divulgação dos resultados desses estudos, iniciou-se a produção de hormônios com estrutura molecular idêntica à daqueles produzidos pelo organismo humano. Estou falando de “hormônios bioidênticos”.
Se você está pensando que, porque são produzidos em laboratório, os “hormônios bioidênticos” também podem ser prejudiciais, engana-se!
O fato de uma substância ser produzida em laboratório não significa que ela é ruim assim como o fato de ser natural não significa que é boa. Veneno de cobra é natural e mata.
No caso dos hormônios, o que caracteriza a bioidentidade é a estrutura molecular idêntica à do hormônio produzido pelo organismo humano. Isso é o bastante.
Se você for abrir a porta da sua casa com a chave original, que veio junto com a fechadura, ou com uma idêntica, feita pelo chaveiro da esquina, o efeito será o mesmo: a porta se abrirá, sem danos.
Para o nosso organismo, também não interessa onde o hormônio foi produzido, desde que ele seja idêntico ao original. Esse é o ponto que a mulher precisa entender para poder argumentar com o seu médico e evitar expor-se a riscos desnecessários.
(Dr. Lair Ribeiro – Médico cardiologista, mestre em cardiologia, nutrólogo, professor)

Quais os benefícios da Modulação Hormonal no emagrecimento?


Os hormônios são componentes fundamentais para o funcionamento do organismo. Eles controlam uma série de tarefas do corpo, inclusive em relação ao emagrecimento. Quando eles começam a baixar, também é mais difícil perder peso.
Por outro lado, há como retardar esse problema. Com a Modulação Hormonal, são utilizados hormônios bioidênticos que levam os níveis para os melhores valores possíveis. Como não compromete a segurança, é uma forma de aumentar o desempenho do corpo.
Entre os benefícios da Modulação Hormonal está o emagrecimento. Uma consequência natural de mudanças importantes, esse resultado ajuda a estética, a saúde e a autoestima. Por isso, veja quais são as principais vantagens de recorrer a esse tratamento e entenda melhor seus impactos!
Entre os benefícios da Modulação Hormonal para o emagrecimento, o principal a ser citado é o aumento de potência corporal. Com maior massa magra e maior metabolismo, a perda de peso acontece de um jeito muito fácil.

O aumento da massa magra é um dos benefícios da Modulação Hormonal

Com o passar dos anos, é natural que o organismo sofra uma diminuição na capacidade de ganhar e de manter a massa magra. Ou seja, conforme a idade vai avançando, há maiores dificuldades para criar e permanecer com músculos.
Isso facilita a flacidez e leva à falta de tonificação muscular. Com isso, tanto o visual quanto a saúde e o bem-estar ficam comprometidos.
Com a Modulação Hormonal, os níveis de hormônio são repostos em máxima capacidade, garantindo que o corpo consiga “construir” os músculos com maior facilidade. Assim, é possível aumentar a resistência e a definição.

A aceleração do metabolismo favorece a queima de gordura acelerada

Os músculos são intensos consumidores de energia. Quando eles estão em grande quantidade no organismo, é comum que o corpo esteja em atividade moderada até mesmo em repouso.
Por outro lado, a gordura não apenas pesa, mas atrapalha o funcionamento do corpo. Ele fica lento e, em um ritmo devagar, engordar parece ser o único caminho encontrado pelos sistemas.
Um dos benefícios da Modulação Hormonal é que os hormônios contribuem para o metabolismo. As glândulas e células agem melhor e com mais intensidade, acelerando o ritmo de queima de gordura.
Além disso, o ganho de massa magra contribui para essa aceleração e, portanto, há um emagrecimento especialmente intenso.

A diminuição da oxidação das células leva o organismo à máxima potência

Outra atuação do equilíbrio hormonal é que ele ajuda a proteger as células contra a degeneração e a oxidação. Esse é um processo que acontece ao longo dos anos e, quanto mais velhas são as estruturas, maior é a rapidez com que elas deixam de funcionar do jeito certo.
Com os níveis adequados de hormônios, é possível contornar o problema e prolongar a atividade das células. Assim, há melhor desempenho nas trocas de gases, na absorção de nutrientes e na aceleração do metabolismo.
Com o corpo atuando corretamente, você terá máximo desempenho em treinos, por exemplo. Além disso, conseguirá queimar gordura e construir massa magra com maior facilidade.

O equilíbrio corporal é um dos efeitos mais importantes

O maior dos benefícios da Modulação Hormonal tem a ver com a sensação do que seu corpo é capaz de oferecer. Ao atingir a máxima potência e ótimos níveis hormonais, há um equilíbrio muito grande nas estruturas.
Tudo funciona exatamente como deveria e de forma até otimizada. Você se sentirá mais bem-disposto e terá maior resistência e condicionamento físico para treinar, por exemplo. A alimentação também será bem-sucedida e o processo de emagrecer se torna natural.
Com isso, é uma questão ligada à saúde e ao potencial do organismo, de um jeito seguro e adequado.
Entre os benefícios da Modulação Hormonal para o emagrecimento, o principal a ser citado é o aumento de potência corporal. Com maior massa magra e maior metabolismo, a perda de peso acontece de um jeito muito fácil.